Maceió

Segurança, acesso limitado e telões: Maceió Verão tem mudanças

Para evitar confusões, entrada e saída serão feitas em locais diferentes; alterações foram discutidas no MPE

Depois da confusão registrada na primeira noite do Maceió Verão, a Prefeitura e a empresa organizadora decidiram fazer mudanças no festival, que acontece no Estacionamento do Jaraguá. A principal delas se dará no acesso e na saída do evento, que contará com portões diferentes. O local, porém, continua fechado.

A situação foi discutida em uma reunião realizada na manhã desta quarta-feira (10), entre os organizadores e a Promotoria de Justiça do Consumidor, quando foram readequados alguns dos pontos do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado na semana passada.

Além do acesso em locais distintos, serão colocadas catracas para a contagem do público. A segurança do lado de fora será reforçada: a parte lateral, onde um alambrado foi derrubado, terá 30 viaturas, sendo 20 da Guarda Municipal e 10 da SMTT, para impedir que o público tenha acesso. Grades serão colocados para reforçar a estrutura.

Segundo o coronel Ivon Berto, responsável pela Secretaria Municipal de Segurança e Ordem Pública, as revistas são outro ponto a ser reforçado e, neste sábado (13), serão feitas em duas linhas: uma cinco metros antes da entrada e outra já do lado de dentro do Maceió Verão.

Torres com policiais serão construídas dentro do Estacionamento do Jaraguá para uma visão do alto. “Dois homens vão ficar em plataformas de observação que serão da mesma altura do palco e patrulhas vão ficar embaixo, rondando essas torres”, afirma o coronel.

Outra questão decidida é a montagem de um posto de comando, com a participação de todos os órgãos envolvidos na segurança do evento. Um monitoramento por meio de câmeras, que devem ser disponibilizadas pela Branco Promoções, também será feito. Não foi divulgada a quantidade de equipamentos a serem utilizados.

Para contemplar o público que ficar de fora do espaço fechado, serão colocados dois telões, um deles provavelmente na praça Marcílio Dias, nas proximidades do festival. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o projeto de segurança havia sido feito, inicialmente, para uma plateia de 18.200 pessoas.

Durante a reunião, o coronel Roberto ressaltou ter informado essa quantidade à empresa ainda na primeira reunião com o Ministério Público (MP). O projeto, porém, não teria sido modificado.

O representante da Branco Promoções, entretanto, rebateu os números divulgados pela imprensa e disse que eles não correspondiam à realidade. Segundo ele, o evento teve a participação de 25 mil, mesmo após a invasão – e não dos 50 mil inicialmente divulgados.

Vinicius Palmeira, presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), admitiu que houve falhas no primeiro dia do evento, especialmente na estimativa de público – eram esperadas 30 mil pessoas, mas, segundo ele, cerca de 60 mil teriam comparecido após a invasão do local.

O promotor de Justiça do Consumidor, Marx Martins, afirmou que fez questão de ir aos shows do último sábado para conferir a organização. Ele afirmou que, na ocasião, a entrada do camarote funcionava de forma fluida. A da pista, porém, se encontrava cheia no momento, dificultando o acesso.

“Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas fora do evento. Foi um evento anunciado de graça e quando cheguei não entendi nem o que estava acontecendo”, apontou ele.

Um novo TAC deve ser assinado entre os organizadores, a Prefeitura de Maceió e o Ministério Público Estadual.

DEIXE SEU COMENTÁRIO