Especial

Muito tempo sem estudar? Dicas para se preparar para concursos sem ficar louco

Segundo os especialistas, não adianta tentar se isolar e nunca parar para descansar.

 

Se estudar para concurso já é difícil, o suplício por si só que se torna ainda mais custoso se o candidato perdeu o hábito de estudar.

Milhares de pessoas se dedicam a estudar para concursos para garantir um emprego com salários melhores e estabilidade. Se estudar para concurso já é difícil, o suplício por si só que se torna ainda mais custoso se o candidato perdeu o hábito de estudar. Abaixo listamos alguns conselhos, acompanhados da visão de especialistas.

1. Assuma que prestar concurso é um emprego
“Prestar concurso não é como ir à faculdade. Quando nos preparamos para estes exames, temos vidas mais complexas”, diz a coordenadora da rede de preparação para concursos na Espanha, Bárbara Ibáñez. “A chave é encontrar um momento para estudar. Devemos ser constantes”, acrescenta.

2. Aprenda a estudar na era da Internet: evite distrações que antes não existiam
A maioria das pessoas que encaram concursos não tinham smartphones nas suas etapas acadêmicas anteriores. “Agora, elas o têm e se sentam para estudar com ele ao lado. Embora o mantenha silenciado, o mero fato de olhar para ele a cada cinco minutos prejudica a concentração. Evitar distrações é muito importante”, diz o educador Eduardo Jevremovitch.

3. Use os recursos que a Internet oferece
Talvez haja mais distrações que antes, mas também há mais recursos ao alcance de qualquer um. E, principalmente, mais baratos. “Acredito que é a parte mais positiva da internet”, diz Ana Jiménez, que, aos 37 anos, acaba de ser aprovada para trabalhar como auxiliar administrativa em um banco espanhol.

4. Evite o exagero
Recuperar o hábito de estudar é questão de três semanas, segundo o educador Eduardo Jevremovitch. “Se conseguimos repetir uma mesma rotina durante 21 dias, nós a convertemos em um hábito. Se o mantivermos durante 66 dias, chegamos a um ponto em que, por mais que não gostemos, fazemos sem problemas”. Ao longo desse período, o ideal é que as horas de estudos aumentem de forma progressiva.

5. Prepare-se também psicologicamente
“Estudar é como andar de bicicleta, nunca se esquece”. Esta é a premissa que o educador Eduardo Jevremovitch propõe a seus alunos assim que entra em contato com eles. “O maior obstáculo para as pessoas que estão há vários anos sem estudar é o desânimo. Não se acham capazes. Os jovens dizem que os mais velhos têm experiência demais, e os mais velhos que não conseguirão competir com os mais jovens”, comenta.

6. Coloque metas
Na opinião de Jevremovitch, o mais importante é “ter uma meta muito clara”. “A primeira coisa que trabalhamos com nossos alunos é a eliminação da linguagem negativa. Não queremos escutar um ‘não posso’. Ajudamos a visualizarem a meta. É muito mais fácil alcançá-la do que parece”, acrescenta.

| EL PAÍSClique e leia a matéria completa.

DEIXE SEU COMENTÁRIO